31 de dez de 2015

Tudo o que eu não fui

Foto: Bruna Novaes


365º dia. É impossível não se deixar ser levado por esse espírito de esperança e pela sensação de recomeço que essa época traz. Último dia do ano. Parece ser a época perfeita para refletir como foi o ano que acabou e fazer planos para o ano que se aproxima, colocar na balança tudo o que alcançamos e o que perdemos, de fazer aquela equação para descobrir se o saldo da sua vida neste ano foi positivo ou negativo.

Sempre fui tentada a achar que meu saldo a cada fim era sempre negativo, pra ser bem sincera nem chegava a montar a equação (sempre odiei matemática), simplesmente pensava que tudo de ruim que tinha me acontecido superava as coias boas e me lamentava por todos os planos e promessas que eu havia feito há exatos 365 dias atrás. Sempre agia como se não importassem as coisas boas que aconteceram durante o ano, as conquistas obtidas (mesmo que não fossem aquelas que eu havia planejado). Eu tinha aquela mania terrível de só reclamar e reclamar. 

Depois de um tempo me dei conta que ficar fazendo planos e promessas, ou ficar lamentando e reclamando do que passou não muda nada. É preciso bem mais que isso pra mudar as coias. 

Então decidi: Preciso lutar pra ter coragem, ao invés de esperar ter coragem pra lutar. Meter a cara mesmo, sabe? Me arriscar, como se cada dia fosse o último. 
Não vale a pena se prender e deixar ser dominado por medos tão mesquinhos e nos privar das nossas conquistas. 

Por isso esse ano eu vou ser tudo o que não fui, não vou tentar ser, ver tutorias de com ser, pensar em ser. Eu vou ser e pronto. Tudo o que eu não fui pra mim. E sei exatamente do que eu preciso, e agora sei que está tudo aqui, bem em baixo do meu nariz. 

Vou correr atrás dos meus sonhos, mas sem fechar os olhos para o que aparecer no caminho, estarei mais atenta ao que a vida me oferece. Não serão distrações, não irão me impedir de alcançar o que quero. Eu só preciso ter a prudência de escolher o que vai ser bom e o que não vai. 

Hoje me dei conta do quanto meus sonhos tomaram rumos diferentes, o quanto que eu mudei, o quanto cresci. Finalmente entendi que a vida não é aquela equação que tem sempre a mesma fórmula, independente das variáveis. Viver é estar sempre em mutação. A cada 24 horas a Terra dá uma volta completa em torno de sim mesma, a cada 365 dias a Terra dá uma volta completa ao redor do sol. Todo ser - vivo ou não- é composto por moléculas que estão em constante movimento e sempre em choque. Ou seja, nada para. Logo, eu não vejo o porquê de ter apenas um sonho e de molda-lo de uma única maneira. Eu posso sonhar o que quiser e realizar de várias formas possíveis, melhor, de todas as formas possíveis. 

Mas não quero muita coisa não, o que mais quero é dobrar os sorrisos, triplicar os abraços, aumentar a felicidade, fazer das coisas boas um hábito. Então para este  ano, eu não vou fazer nenhum pedido, ao invés de imaginar como será o meu novo ano eu farei o meu novo ano da maneira que sonho, da melhor maneira, e sim, serei o melhor que puder, para  mim e para os meus. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário